A FAG e o Socialismo Libertário

Relato de um militante que encontrou um lugar na esquerda revolucionária que não cede ao autoritarismo

Quando descobri a esquerda, foi por entender que muita gente em muitos momentos históricos lutaram por um mundo justo, sem exploração e opressão. Me identifiquei e soube mais ou menos por onde canalizar meu sentimento de indignação diante da injustiça. Tinha 15 anos e buscava informação onde achava (na época que mal havia internet discada). No mesmo processo me afastei do modelo estatista stalinista, provavelmente parte de um movimento pós-Muro de Berlim, embalado por trabalho de base petista e, depois, pelos fóruns sociais mundiais. Quando entendi um pouco das disputas, achava que a única alternativa revolucionária ao stalinismo era o trotskismo. Ao mesmo tempo, estava no movimento estudantil, criando coisas em nível local de forma coletiva com pessoas incríveis, na peleia contra a ALCA, contra o sucateamento do ensino no governo FHC. O anarquismo, na época, só parecia algo distante.

Esse “início” militante me lembra a luta pelo transporte público na cidade de Pelotas e meu primeiro embate com a esquerda no poder. Foi no governo municipal do PT em Pelotas, nos idos de 2000, quando experenciei estar à esquerda do que era o governo da “frente popular”. Ainda que minha “entrada na militância” tenha se dado, em grande parte, através do PT antes do governo na cidade, logo entendi que havia alternativas.
Também vi na greve do magistério durante o governo estadual do PT um exemplo: a luta não para por que um governo se elege com slogans ou histórico de esquerda. De certo modo eu nunca soube ser de esquerda sem ter que enfrentar em alguma medida a burocracia de esquerda no poder de governos, sindicatos, grêmios estudantis ou diretórios de estudantes.

De lá pra cá, estive em dois partidos à esquerda do PT. Com ambos meu problema, sem eu saber conceituar muito bem, foi o centralismo (dito democrático), a hierarquia dura, o método de decisão por cúpulas, a tática eleitoral e os personalismos. Um autoritarismo destrutivo difícil de se desmanchar. Os meios não fechavam com os fins. Por isso, também tentei militar sem estar organizado em partido (ainda que muito próximo
a esses partidos).

Tive, por anos, dificuldade de achar um lugar me mantendo socialista, defensor da organização e da democracia radical. E daí chegou 2013, esse ano que ainda não acabou. Quando o lulismo em crise e o PT transformado de vez em partido da ordem… Tudo foi posto em cheque e as tradicionais lideranças da esquerda pouco souberam intervir. Afinal existia vida fora das instituições, fora dos partidos tradicionais, fora do horizonte
governamental, fora dos métodos e repertórios da esquerda institucionalizada e domesticada. É verdade que não tivemos ganhos organizativos permanentes. Mas, mesmo que adormecidos, seguem existindo os anseios daquelas ruas rebeldes, ainda que latentes, confusos. Muita gente se formou ou se reinventou nesse período. As ocupações de escolas e universidades talvez sejam (até agora) as grandes heranças de 2013.

Mas na crise da representação, dos partidos e instituições, também há uma crise de fórum pessoal. E eu estava perdido. Aquele clima libertário em 2013 me encantava, mas me fazia pensar que eu não podia abandonar o socialismo por uma ideologia anti-organização ou imatura. Porque a esquerda tradicional me fez acreditar por anos e anos que era disso que se tratava tudo que cheirasse a anarquismo. Ou era desorganização, ou
era infantilidade, ou era individualista. Pra isso, precisou negar a história, as disputas políticas em jogo desde o século XIX no campo socialista. Precisou afirmar do alto da soberba quem é maturidade e quem é infância, quem é ciência e quem não é, quem é organizado e quem não é. Tudo para destruir a pluralidade na esquerda.

Nem todo mundo na esquerda sabe, mas o anarquismo é socialista desde que nasceu como organização na Primeira Internacional – com a Aliança da Democracia Socialista (mesmo o termo “anarquista” se consolidou depois disso). E o problema da ala federalista com a ala marxista era – vejam só! – o centralismo, o personalismo, o eleitoralismo com aposta no Estado, a hierarquia, o autoritarismo, o oportunismo. Eu, que me achava bem formado na esquerda, não sabia que a minha crise pessoal era, em grande parte, a crise que produziu o dissenso entre o socialismo libertário (anarquista) e os outros socialismos, tanto ou mais reformistas e social-democratas quanto os mais revolucionários. Era uma diferença profunda sobre quais meios utilizar. Mas na organização comum da história do socialismo no meio militante se recorta apenas a divergência entre marxistas revolucionários e social-democratas. E depois entre marxistas pró e anti stalinismo. Apaga-se a história e a teoria da esquerda para se construir uma forma única de entender (e lutar) o socialismo. E assim, em macro-escala, segue a confusão marxista entre revolução social e tomada do poder, entre classe e partido. E assim segue, em cada micro-espaço, os métodos autoritários, o culto personalista, o sectarismo e o dogmatismo.

Assim, percebi que minha crise não era com os partidos ou com a esquerda, mas com um paradigma que nem sempre foi hegemônico (veio a ser algo assim após a “vitória” da revolução russa). Parece bobagem, mas não é fácil, em meios militantes, ter acesso a versões da história e da teoria que te informem ser possível ser socialista revolucionário sem ser marxista e muito menos leninista. Há na própria esquerda marxista uma ignorância constrangedora (há quem nem entenda como pode existir partido e federação anarquista ou que as conquistas de direitos trabalhistas no Brasil são frutos de muito suor e sangue anarquista nas primeiras décadas do século XX).

Esses processos de apagamento e, muitas vezes, de difamação (além de traições históricas), no entanto, não conseguiram destruir princípios e métodos como democracia direta, ação direta, independência de patrões, partidos e governos e articulação desde a base. Eles seguem aparecendo aqui e ali, difusos ou não, cheios de rebeldia e sonhos, construídos por quem percebe que os meios não podem justificar os fins, mas que os meios definem os fins.

Foi graças à defesa do socialismo e da liberdade de muitas gerações que deram suas vidas em vários cantos do mundo que esses métodos e princípios seguiram existindo. E graças a essa teimosia de não se deixar matar que a Federação Anarquista Gaúcha – FAG pôde existir e se tornar, junto às demais organizações da Coordenação Anarquista Brasileira – CAB, um lugar para mim e tantos outros militantes. Um lugar para quem não se curva às tentações eleitorais que sempre nos levam aos mesmos problemas da domesticação e burocratização da luta social. Um lugar que não cede às tentações da conciliação com patrões ou governos. Um lugar a partir do qual se luta com princípios que se deseja serem os princípios da sonhada nova sociedade.

Parabéns à FAG, que neste mês completa 23 anos de existência!
E obrigado por ser este lugar.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s